O que define um movimento social? Como analisá-lo? Todo protesto é um movimento social? E uma passeata? E uma greve? O que é uma ação coletiva? Ela pode ser chamada de movimento social?

Essas e outras perguntas foram respondidas no sábado (26/08) em mais um evento de formação interna promovido pelo Movimento Voto Consciente Jundiaí e ministrado pela futura cientista social pela Unicamp, Larissa Melo. Encontros como esse têm por objetivo ampliar o conhecimento dos integrantes integrantes do Voto sobre temas que tratam de políticas para a cidadania.

Os onze voluntários presentes à Casa do Meio Escola Livre, parceira do Movimento, assistiram, de início, ao documentário “Leva”, de autoria de Juliana Vicente e Luiz Marques, gravado em 2012 e vencedor dos prêmio 1º Pitching DOC Futura, uma parceria do canal Futura e da produtora Preta Portê filmes. O documentário traça um panorama sobre a luta por moradias no centro da cidade de São Paulo e mostra como se dá essa organização.

A partir desse conteúdo foi aberta discussão sobre as diversas formas organizadas da sociedade civil que envolvem determinados temas – no caso do Voto a escolha consciente de representantes na política – e de que maneira estas formas caracterizam-se pelo que se pode chamar essencialmente de movimento social.
Feito isso, os voluntários puderam, então, exercitar a definição de movimento social dentro do contexto do trabalho do Voto. E concluíram que o mesmo, em sua essência, pode ser considerado como uma “organização para um movimento social”. Segundo a cientista social Larissa Melo, os movimentos sociais “caracterizam-se por ações coletivas que têm e mantém sustentação no tempo”. Assim sendo, é possível também defini-los como uma ação coletiva, que nem sempre, porém, pode ser considerada um movimento social.

Na conclusão da rodada de formação ficou claro, portanto, que o trabalho feito pelo Voto em Jundiaí é descentralizado. Ou seja, idealizado e transmitido para o cidadão através de eixos de ação, como o acompanhamento e avaliação dos trabalhos do legislativo, a educação para a cidadania e a publicação da Ficha Pública, sempre com a intenção de despertar o nível de consciência para o ato democrático do voto e suas implicações.

Este foi o segundo evento de formação interna promovido pelos voluntários do Voto local. No primeiro, realizado em maio último, abordou-se o tema da formação dos partidos políticos e suas bases numéricas no Brasil, com ênfase para o Estado de São Paulo. Um terceiro evento já está programado para o mês de outubro e será ministrado em parceria com a empresa Fast Food da Política. Serão discutidos, na oportunidade, questões relacionadas a política e gênero.