Voto Consciente Jundiaí | https://votoconscientejundiai.com.br

Como foi o #RUALIVRE? #culturajundiaiense

Publicada em 16/06/2010 às 16:01 | por Voto Consciente Jundiai

Como foi esse tal de
?

(Rua Livre é um espaço aberto pra cultura e pro debate. Saiba mais aqui)

O debate sobre os curtas do Video Popular e sobre o curta levado por um membro da banda El Efecto rendeu uma ótima ponte para o debate de cultura. Infelizmente, o público dos curtas foi pequeno, mas aos poucos foram chegando mais pessoas e engrossando a roda do debate: no final, éramos 20 falando sobre ocupações populares do Movimento dos Sem Teto no Rio de Janeiro e em São Paulo (era esse o tema de um dos curtas), sobre a dificuldade do acesso à cultura em todo o país, e sobre o que falta no Brasil para que o povo se interesse por arte, quando esta é oferecida de graça. Foram discutidos casos de Jundiaí e de Várzea, quase todos falaram. Houve até uma brincadeira, feita por Bruno, do El Efecto: “primeiro a gente falou sobre não ter casa, agora a gente quer saber o que fazer pra tirar as pessoas das suas casas” (pra que elas façam parte de debates, de uma rede social). O debate acabou muito positivamente, com Eufraudísio Modesto Filho (Secretário da Cultura de Várzea Paulista) apontando como é bom ver tantos jovens recomeçando a pensar a cultura, e que apesar de estar a 38 anos nessa área de produção cultural, é com eventos como esse que ele tem esperança de que as coisas vão dar certo. Finalizou: “temos que mostrar pros quatro cantos do Brasil que tem gente pensando assim”.

Na sala do Debate, os quadros dos famosos grafiteiros de Jundiaí, que fizeram presença no evento: Estranho 165, Horacio, Insane e Esgoto.

Sem falar do Guilherme Sai, também de Jundiaí, que grafitou durante o evento dois quadros muito bons. E ele deu os quadros pro Rua Livre. Quem não pôde ver ontem, vai poder ver no Rua Livre 3, em Julho! Sensacional.

Eufraudísio, então, contou dois causos populares, e um coube bem ao Cineclube Consciência: todos rimos com a história de um matuto que morava na roça e vai à cidade pra ir ao cinema, mas encontra a dificuldade de que o filme era americano e com legendas, e ele tinha de contar pros amigos e pra família, na volta, como era a história. Lembrando que o Eufraudísio já recitou no Sarau do Cineclube ano passado. E foi uma influência importante para a fundação do Cineclube, há três anos. Valeu, Eufra!

Em seguida, tocou a banda El Efecto, do Rio de Janeiro. Só pelo ditado cantado em uma das músicas, o show já valeria: “Quem rouba pouco é ladrão / Quem rouba muito é barão / Quem rouba e ainda se esconde / Passa de barão a visconde“. Mas eles conseguem surpreender, agradar e instigar em todos os momentos. Com rock, funk e jazz eles animaram o público e deram continuidade ao debate com suas letras sociais. É a segunda vez que eles veem voluntariamente para tocar no Cineclube Consciência, e todos esperamos que venham mais ainda!

O pessoal do FANS e do Ateliê Casarão se apresentou depois da primeira banda, mas os palhaços chegaram já fazendo performances e chamando a atenção do público, enquanto El Efecto tocava. É isso aí, vamos ocupar todos os espaços livres! Já a apresentação nos trouxe lembranças e sentimentos, porque que foi uma homenagem ao Foguinho, artista jundiaiense e amigo de muitos presentes, que se foi, recentemente…
Mas os palhaços transformaram o choro em riso.

Em seguida, a banda O Feliz Amor do Felino Ferido, que fez jus à descrição louca da banda: “uma banda aliterante, inquietante, alucinante, irritante, pedante, auto-falante, pata de elefante e tromba de iguana”, com a exceção de que os adjetivos ruins dessa descrição foram transformados em uma criatividade e performance alucinantes. Com covers e músicas próprias, eles animaram o público que resistiu ao frio.

Pra fechar nossa “festa junina” cultural, houve uma “Jam session”, aberta ao público. Quem tocou: André (Bode), Weidell e Filipe (Magrão).


Nosso muito obrigado a todos que participaram, contribuiram, assistiram, curtiram e fizeram deste Rua Livre um espaço de apresentação e diálogo em Jundiaí. E já marquem na agenda: dia 18 de julho: Rua Livre 3!

Cineclube Consciência & Grupo Zama

Créditos
Fotos: Kiono, Alberto Urbinatti, Lucas Trabachini, Natália Marquesini e Daniela Espinelli.
> Veja mais fotos aqui
Texto: Patrícia Anette
Voto Consciente Jundiai

Leia mais sobre Outros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Link original: https://votoconscientejundiai.com.br/como-foi-o-rualivre-culturajundiaiense/