Voto Consciente Jundiaí | https://votoconscientejundiai.com.br

Um projeto do Labic pode ser diferente das 12 propostas do Cidadonos?

Publicada em 05/04/2016 às 21:41 | por Henrique Parra Parra Filho

Quer ciclovias? Te dou paraciclos!

O Laboratório de Inovação Cidadã de Jundiaí nasce com uma proposta ousada de encontrar projetos que implementem as 12 propostas vencedoras do Concurso Cidadonos de 2015. Ousado porque estas doze propostas são utópicas, são complexas, dependem muito do governo e de orçamento para saírem do papel.

Nem todas elas podem ser transformadas em projetos criados e executados por cidadãos, você vai dizer imediatamente. Não é bem assim e tentarei explicar o porquê.

Para isso, dou o exemplo de uma das propostas vencedoras da edição de 2011 do Concurso Cidadonos (ela não vale para este Labic, mas serve para nossa conversa). Trata-se da proposta Falta de ciclovias, que pedia mais ciclovias na cidade para estimular o uso da bicicleta como meio de transporte.

Mas ciclovias são caras (uma boa estimativa dá conta de que cada km custaria uns R$ 200 mil), precisam ser feitas aos montes para realmente virar uma opção de transporte (pelo menos de 50km a 100km) e uma obra em via pública só pode ser realizada pelo Poder Público ou de forma associada a ele. Tá fácil de um cidadão fazer isso acontecer? Claro que não. E dá para fazer algo? Claro que sim.

A proposta pedia ciclovias com qual objetivo? Pretendia qual resultado? Criar infraestrutura para estimular que as pessoas utilizem bicicletas como meio de transporte. As ciclovias, ciclorotas e ciclofaixas são parte essencial desta infraestrutura. Mas também existe a necessidade de sinalização, de paraciclos e de bicicletários. Além de sistemas de aluguel de bicicletas.

Quando olhamos com mais atenção para os objetivos das propostas, conseguimos estabelecer outras ações (mesmo que diferentes das ações apontadas na proposta) que estejam aderentes a ideia inicial. Em outras palavras, os autores das 12 propostas fizeram escolhas: quero alcançar um objetivo e vou apostar em algumas ações. Quando fizeram isso, em muitos casos pensaram em quais ações são as mais desejáveis e eficientes, sem pensar “quais são as mais viáveis e com impacto para um cidadão realizar”.

Como disse, muitas das propostas foram pensadas para que o Poder Público implemente e o Labic justamente quer estimular projetos cívicos.

Mas estamos mudando o foco? Claro que não. Queremos projetos que sejam implementados por cidadãos, ongs, movimentos, grupos justamente para que estas propostas – viáveis, baratas, com impacto e que possam ser escaladas – mostrem resultados e mobilizem a opinião pública. Demonstrem que são possíveis e assim atraiam apoios (de empresas e do governo).

Voltando ao nosso exemplo: distribuir 100 paraciclos ajuda a mobilizar mais ciclistas. Causa impacto, divulga a proposta e ajuda a mobilizar empresas, associações e gestores públicos interessados em apoiar esta causa. De alguma forma, ajudam inclusive a criar constrangimento ou incentivos para que as ciclovias sejam construídas mais rapidamente. E, de imediato, geram benefícios e estímulo para quem quer usar a bicicleta como meio de transporte (objetivo central da proposta).

Ou seja: projetos não precisam implementar as propostas exatamente como elas foram escritas. Há todo um campo de interpretação, de estratégia, de escolhas e de criação que pode ser explorado! Só não podemos perder de vista os objetivos centrais e originais das propostas!

Avatar

Leia mais sobre Outros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Link original: https://votoconscientejundiai.com.br/um-projeto-do-labic-pode-ser-diferente-das-12-propostas-do-cidadonos/